Atenção

Fechar

Área restrita

Esqueci minha senha

PROFISSIONAIS

NOTÍCIAS

16/11/2021

Nota de repúdio

A Diretoria do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial (CBCTBMF) vem reiterar o nosso posicionamento, já estabelecido desde fevereiro de 2021, com relação aos procedimentos cirúrgicos estéticos realizados por profissionais que não apresentam reconhecida qualificação acadêmica e experiência cirúrgica necessária para a sua realização, além de carentes de expertise no eventual tratamento de possíveis intercorrências e/ou complicações.

Nesta oportunidade, por meio desta nota de repúdio, endereçada a sociedade civil como um todo e as outras entidades médicas, que muitas vezes, ainda que imbuídas de boas intenções, prestam desserviço à sociedade, manifestamos o nosso sentimento de indignação e insatisfação.

Vale dizer que o CBCTBMF vem, ao longo de vários anos, lutando junto ao CFO e órgãos ligados à área educacional, pela padronização, em alto nível, da formação do cirurgião buco-maxilo-facial. Busca que dos profissionais que executem procedimentos cirúrgicos na face, quer sejam estéticos ou reparadores, seja exigida robusta e extensa formação em anatomia, fisiologia, histologia, farmacologia, técnicas cirúrgicas, entre outras, o que somente pode ser obtido por intermédio de cursos acadêmicos com intensa carga horária e de longa duração, que representam anos de formação nessa área especifica.

Entendemos que atualmente, dentro da Odontologia, apenas a área de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial, com a formação preceituada e defendida pelo CBCTBMF, atinge esses critérios.

Pois bem. Casos recentemente divulgados acerca de complicações relacionadas a lipoaspiração cervicofaciais, entre outros procedimentos cirúrgicos estéticos da face, preocupam a sociedade civil como um todo e também as entidades de classe. Entretanto, devemos ter serenidade na análise dos fatos ocorridos, reconhecendo que complicações cirúrgicas ocorrem com qualquer profissional, mesmo que devidamente habilitado e treinado, destacando-se, ainda, que isso pode ocorrer, na mesma proporção, na Medicina ou na Odontologia.

Não se olvide que também existem profissionais médicos, não especialistas, que realizam os mesmos tipos de procedimentos, sem ter a formação adequada para tal. E, nos últimos anos tem sido visto e divulgado por diversos meios de comunicação, consistindo em fato notório, resultados insatisfatórios e por vezes até mutilantes, muitas vezes praticados por médicos.

Justamente por tais motivos, embora não haja proibição ou censura oriunda do órgão de classe (CFM), as entidades associativas de diversa especialidades médicas lutam, a nosso ver corretamente, de forma insistente, para que os profissionais que irão exercer especialidades, possuam formação técnica e científica consistente, a fim de garantir o máximo de benefício aos pacientes e minimizar as intercorrências e complicações.

Nesse mesmo sentido a Odontologia vem lutando para a normatização e formação adequada de seus profissionais. Recentemente o Conselho Federal de Odontologia (CFO) restringiu a atuação do cirurgião dentista não especialista em CTBMF, no que diz respeito à execução de procedimentos cirúrgicos estéticos da face. O fez por entender que haveria a necessidade de uma adequada formação técnico-científica para sua realização. Contudo, a lipoaspiração cervicofacial ficou fora dessa restrição.

O que importa, portanto, é a formação adequada do profissional, quer seja ele Médico, quer seja ele Cirurgião Dentista.

O entendimento do CBCTBMF é de que para a realização de qualquer procedimento cirúrgico da face, o profissional da odontologia deve possuir formação específica para sua realização, sendo que a única forma de obter essa formação se dá por intermédio de residência em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial, cursando um mínimo de 8.640 horas, com tempo integral e dedicação exclusiva. A Especialidade de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais é a única especialidade da Odontologia que apresenta essa formação, consistente para a execução de procedimentos cirúrgicos estético-funcionais da face.

Assim, o CBCTBMF reprova a realização de procedimento cirúrgicos estéticos em face por profissionais que não tenham formação específica e especialidade na área de cirurgia buco-maxilo-facial e reitera o seu posicionamento frente às outras entidades associativas médicas, quanto à capacidade técnica-científica do Cirurgião-Buco-Maxilo-Facial para a execução dos procedimentos cirúrgicos reparadores da face, reconhecidos por intermédio de habilitação devidamente concedida pelo nosso conselho de classe (CFO).

Também nos indignamos com a generalização que algumas entidades médicas fazem, por meio de notas de repúdio ou cartas abertas, colocando todos os dentistas em um mesmo padrão de formação, o que não corresponde à realidade.

Por fim vale destacar que o CBCTBMF orienta que os pacientes, antes de realizar qualquer procedimento estético em face, devam procurar por referências dos profissionais para saber se os mesmos possuem especialidade cirúrgica devidamente registrada em seus órgãos de classe e com reconhecida experiência para realização desses procedimentos. Para isso, o CBCTBMF disponibiliza em suas plataformas digitais por meio do site oficial e de suas redes sociais, lista dos seus associados que apresentam especialidade cirúrgica reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia.

Diretoria do CBCTBMF
Novembro/2021



Últimas notícias


Ver todas as notícias

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.